Arquivo do mês: maio 2011

Piadinha…

Em homenagem a nossa colega Guinha…

Porque não se ouvem mais violas nos novos CDs? Porque os CDs não comportam mais ruídos!

1 comentário

Arquivado em Notícias, Para descontrair

Para conhecer melhor: Beethoven

Um aviso incial: o texto é longo, mas vale a pena!

Muito se fala a respeito de Beethoven e seu temperamento difícil, mas nem sempre conseguimos ter uma ideia fiel de como realmente era esse grande compositor.  Pensando nisso, resolvi trazer uma passagem do livro “Stradivarius – cinco violinos, um violoncelo e três séculos de perfeição”, de Toby Faber, que descreve bem o temperamento de Beethoven.

Ela traz o relato do violinista Joseph Böhm sobra a experiência de tocar o quarteto em mi bemol do compositor, opus 127, depois de uma estréia nada animadora. Beethoven atribuiu o fracasso da primeira apresentação ao violinista Ignaz Schuppanzigh, mesmo sabendo que os músicos haviam recebido a partitura somente duas semanas antes da apresentação. O resto da história vocês podem ler abaixo:

.

Beethoven culpou a excessiva robustez de Schuppanzigh pelo fracasso, e insistiu em que a execução seguinte ficasse a cargo do mesmo quarteto, mas sob a liderança de Böhm. O violinista relembraria posteriormente:

Beethoven não sossegava enquanto a desonra não era lavada. Mandou chamar-me logo ao amanhecer – à sua maneira habitualmente seca, disse-me: “Você tem que tocar o meu quarteto” – e a coisa foi decidida. Não havia espaço para objeções nem dúvidas, o que Beethoven queria tinha de ser feito, de modo que eu abracei a difícil tarefa.

Os ensaios foram para Böhm uma experiência perturbadora:

O quarteto foi conscienciosamente estudado e ensaiado com frequência diante dos olhos do próprio Beethoven. E digo “olhos” intencionalmente, pois o infeliz estava tão surdo que não podia mais ouvir o som celestial de suas próprias composições. Ainda assim, ensaiar em sua presença não era fácil. Com a mais apurada atenção, seus olhos acompanhavam o movimento dos arcos, e ele podia assim avaliar as menores variações de andamento ou ritmo, corrigindo-as imediatamente.

Ainda assim, Böhm conseguiu exercer alguma influência:

No fim do último movimento desse quarteto, havia um meno vivace que me parecia contraproducente para o efeito global. No ensaio, assim, sugeri que o andamento original fosse mantido, para se obter um melhor efeito. Beethoven, agachado num canto, nada ouviu, mas observava intensamente. Após o último movimento dos arcos, disse laconicamente: “Que fique assim”. Aproximou-se das estantes e eliminou o meno vivace das quatro partes.

Num outro episódio, numa das primeiras leituras de um quarteto (quase certamente o mesmo), Böhm teve a coragem de declarar que certa passagem era impossível de tocar. “Böhm! Ele é um animal!”, reagiu imediatamente Beethoven. Mas nem por isso o compositor deixou de promover certas modificações, voltando no ensaio seguinte com o comentário: “Na, Böhmerl [algo como meu camaradinha Böhm], está satisfeito agora?”.

Trecho retirado do livro “Stradivarius – cinco violinos, um violoncelo e três séculos de perfeição”, de Toby Faber.

.

Para os curiosos de plantão, é claro que a segunda execução do quarteto foi um sucesso :)

Deixe um comentário

Arquivado em Conhecimento musical, Curiosidades

Curiosidades da música clássica

Como em qualquer outra arte, o mundo da música clássica também é repleto de bizarrices. E nada melhor do que conhecer o outro lado dos grandes gênios que entraram para a história da música. E ninguém melhor do que Beethoven para exemplificar isso. Conheça então algumas curiosidades sobre o compositor:

De olhos bem abertos
Em 1825, já completamente surdo, Beethoven foi assistir a um ensaio fechado de um grupo que iria executar o seu Quarteto em mi bemol maior op. 127. Um dos violinistas, Joseph Böhm, registrou o episódio: “O infeliz estava tão surdo que não podia ouvir o som celestial das suas próprias composições”. Para espanto de todos, porém, Beethoven chamou a atenção do grupo para os menores erros de execução. “Seus olhos seguiam os arcos, e assim ele era capaz de notar as menores flutuações no tempo ou no ritmo, e corrigi-las na hora”, anotou Böhn.

A verdadeira fortuna de Beethoven
Conta-se que um dia Beethoven foi visitar o irmão mais novo, Johann, que a essa altura era um homem rico. Na entrada da mansão, um criado ofereceu-lhe, numa salva de prata, um cartão de visitas onde estava escrito: “Johann van Beethoven, proprietário de terras”. O compositor pegou o cartão e, instantes depois, devolveu-o ao criado, após escrever no verso do papel a seguinte anotação: “Ludwig van Beethoven, proprietário de um cérebro”.

Péssimo pai
Quando Karl, irmão do compositor, morreu em 1815, Beethoven tomou para si a tarefa de criar o sobrinho, que tinha o mesmo nome do pai. Durante meses a fio, o músico travou nos tribunais uma batalha judicial para se tornar tutor da criança, retirando-a das mãos da mãe, a quem julgava uma mulher imoral. Finalmente, após obter ganho de causa, levou o menino para morar com ele. Mas Beethoven acabou revelando-se um tirano no papel de pai adotivo. Após tentar o suicídio, Karl engajou-se no exército austríaco e tratou de sumir da vida do compositor.

Fonte: Coleção Folha de Música Clássica –  Folha de São Paulo

Deixe um comentário

Arquivado em Conhecimento musical, Curiosidades

Além de Bach e Beethoven…

Como faz tempo que não surgem umas inspirações por aqui, hoje eu resolvi trazer alguns vídeos que merecem a nossa atenção.  Nada nos moldes “tradicionais” da música clássica, mas ainda assim encantador e com muita qualidade. Confiram:

.

.

Outra versão interessante de Piratas do Caribe:

.

.

Sugestões de vídeos que possam servir de inspiração? Não deixem de mandar a dica para orquestradascar@gmail.com!

Deixe um comentário

Arquivado em Conhecimento musical

Para descontrair…

Porque os músicos também precisam relaxar de vez em quando!! haha

O violinista

Um violinista consegue finalmente a oportunidade de ser ouvido pelo grande maestro.
Após tocar uma pequena peça, o músico pergunta ao maestro:
Então, que tal a execução?
O maestro pensa uns segundos e responde:
Execução é um pouco exagerado, 20 anos de prisão domiciliar me parece o suficiente.

Quantos maestros são precisos para trocar uma lâmpada?
Três. um para trocar, um para criticar como foi trocada a lâmpada e outro para dizer que poderia ter feito melhor.

2 Comentários

Arquivado em Para descontrair

Orquestra de Sopros de Frankfurt

Confiram alguns vídeos da passagem da Orquestra de Sopros de  Frankfurt por Jaraguá do Sul.

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias