Arquivo da categoria: Conhecimento musical

“Quinta Sinfonia”, de Beethoven, é utilizada em pesquisa sobre o câncer

Um artigo muito interessante sugerido pela nossa colega Guinha. Não deixem de ler!

Células tumorais expostas à “Quinta Sinfonia”, de Beethoven, perderam tamanho ou morreram 

Mesmo quem não costuma escutar música clássica já ouviu, numerosas vezes, o primeiro movimento da “Quinta Sinfonia” de Ludwig van Beethoven. O “pam-pam-pam-pam” que abre uma das mais famosas composições da História.

Descobriu-se, agora, que ela seria capaz de matar células tumorais – em testes de laboratório. Uma pesquisa do Programa de Oncobiologia da UFRJ expôs uma cultura de células MCF-7, ligadas ao câncer de mama, a meia hora da obra. Uma em cada cinco delas morreu, numa experiência que abre um nova frente contra a doença, por meio de timbres e frequências.

A estratégia, que parece estranha à primeira vista, busca encontrar formas mais eficientes e menos tóxicas de combater o câncer: em vez de radioterapia, um dia seria possível pensar no uso de frequências sonoras. O estudo inovou ao usar a musicoterapia fora do tratamento de distúrbios emocionais.

– Esta terapia costuma ser adotada em doenças ligadas a problemas psicológicos, situações que envolvam um componente emocional. Mostramos que, além disso, a música produz um efeito direto sobre as células do nosso organismo – ressalta Márcia Capella, do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho, coordenadora do estudo.
Como as MCF-7 duplicam-se a cada 30 horas, Márcia esperou dois dias entre a sessão musical e o teste dos seus efeitos. Neste prazo, 20% da amostragem morreu. Entre as células sobreviventes, muitas perderam tamanho e granulosidade.

O resultado da pesquisa é enigmático até mesmo para Márcia. A composição “Atmosphères”, do húngaro György Ligeti, provocou efeitos semelhantes àqueles registrados com Beethoven. Mas a “Sonata para 2 pianos em ré maior”, de Wolfgang Amadeus Mozart, uma das mais populares em musicoterapia, não teve efeito.

Foi estranho, porque esta sonata provoca algo conhecido como o “efeito Mozart”, um aumento temporário do raciocínio espaço-temporal – pondera a pesquisadora. – Mas ficamos felizes com o resultado. Acreditávamos que as sinfonias provocariam apenas alterações metabólicas, não a morte de células cancerígenas.

“Atmosphères”, diferentemente da “Quinta Sinfonia”, é uma composição contemporânea, caracterizada pela ausência de uma linha melódica. Por que, então, duas músicas tão diferentes provocaram o mesmo efeito?

Aliada a uma equipe que inclui um professor da Escola de Música Villa-Lobos, Márcia procura agora esta resposta, dividindo as músicas em partes. Pode ser que o efeito tenha vindo não do conjunto da obra, mas especificamente de um ritmo, um timbre ou intensidade.

Quando conseguir identificar o que matou as células, o passo seguinte será a construção de uma sequência sonora especial para o tratamento de tumores. O caminho até esta melodia passará por outros gêneros musicais. A partir do mês que vem, os pesquisadores testarão o efeito do samba e do funk sobre as células tumorais.

– Ainda não sabemos que música e qual compositor vamos usar. A quantidade de combinações sonoras que podemos estudar é imensa – diz a pesquisadora.
Outra via de pesquisa é investigar se as sinfonias provocaram outro tipo de efeito no organismo. Por enquanto, apenas células renais e tumorais foram expostas à música. Só no segundo grupo foi registrada alguma alteração.

A pesquisa também possibilitou uma conclusão alheia às culturas de células. Como ficou provado que o efeito das músicas extrapola o componente emocional, é possível que haja uma diferença entre ouví-la com som ambiente ou fone de ouvido.

– Os resultados parciais sugerem que, com o fone de ouvido, estamos nos beneficiando dos efeitos emocionais e desprezando as consequências diretas, como estas observadas com o experimento – revela Márcia.

Fonte: O Globo – Renato Grandelle

Link da pesquisa:

http://www.oncobiologia.bioqmed.ufrj.br/noticias_onconews_detalhes.asp?id=417

Deixe um comentário

Arquivado em Conhecimento musical, Curiosidades

Para conhecer melhor: Beethoven

Um aviso incial: o texto é longo, mas vale a pena!

Muito se fala a respeito de Beethoven e seu temperamento difícil, mas nem sempre conseguimos ter uma ideia fiel de como realmente era esse grande compositor.  Pensando nisso, resolvi trazer uma passagem do livro “Stradivarius – cinco violinos, um violoncelo e três séculos de perfeição”, de Toby Faber, que descreve bem o temperamento de Beethoven.

Ela traz o relato do violinista Joseph Böhm sobra a experiência de tocar o quarteto em mi bemol do compositor, opus 127, depois de uma estréia nada animadora. Beethoven atribuiu o fracasso da primeira apresentação ao violinista Ignaz Schuppanzigh, mesmo sabendo que os músicos haviam recebido a partitura somente duas semanas antes da apresentação. O resto da história vocês podem ler abaixo:

.

Beethoven culpou a excessiva robustez de Schuppanzigh pelo fracasso, e insistiu em que a execução seguinte ficasse a cargo do mesmo quarteto, mas sob a liderança de Böhm. O violinista relembraria posteriormente:

Beethoven não sossegava enquanto a desonra não era lavada. Mandou chamar-me logo ao amanhecer – à sua maneira habitualmente seca, disse-me: “Você tem que tocar o meu quarteto” – e a coisa foi decidida. Não havia espaço para objeções nem dúvidas, o que Beethoven queria tinha de ser feito, de modo que eu abracei a difícil tarefa.

Os ensaios foram para Böhm uma experiência perturbadora:

O quarteto foi conscienciosamente estudado e ensaiado com frequência diante dos olhos do próprio Beethoven. E digo “olhos” intencionalmente, pois o infeliz estava tão surdo que não podia mais ouvir o som celestial de suas próprias composições. Ainda assim, ensaiar em sua presença não era fácil. Com a mais apurada atenção, seus olhos acompanhavam o movimento dos arcos, e ele podia assim avaliar as menores variações de andamento ou ritmo, corrigindo-as imediatamente.

Ainda assim, Böhm conseguiu exercer alguma influência:

No fim do último movimento desse quarteto, havia um meno vivace que me parecia contraproducente para o efeito global. No ensaio, assim, sugeri que o andamento original fosse mantido, para se obter um melhor efeito. Beethoven, agachado num canto, nada ouviu, mas observava intensamente. Após o último movimento dos arcos, disse laconicamente: “Que fique assim”. Aproximou-se das estantes e eliminou o meno vivace das quatro partes.

Num outro episódio, numa das primeiras leituras de um quarteto (quase certamente o mesmo), Böhm teve a coragem de declarar que certa passagem era impossível de tocar. “Böhm! Ele é um animal!”, reagiu imediatamente Beethoven. Mas nem por isso o compositor deixou de promover certas modificações, voltando no ensaio seguinte com o comentário: “Na, Böhmerl [algo como meu camaradinha Böhm], está satisfeito agora?”.

Trecho retirado do livro “Stradivarius – cinco violinos, um violoncelo e três séculos de perfeição”, de Toby Faber.

.

Para os curiosos de plantão, é claro que a segunda execução do quarteto foi um sucesso :)

Deixe um comentário

Arquivado em Conhecimento musical, Curiosidades

Curiosidades da música clássica

Como em qualquer outra arte, o mundo da música clássica também é repleto de bizarrices. E nada melhor do que conhecer o outro lado dos grandes gênios que entraram para a história da música. E ninguém melhor do que Beethoven para exemplificar isso. Conheça então algumas curiosidades sobre o compositor:

De olhos bem abertos
Em 1825, já completamente surdo, Beethoven foi assistir a um ensaio fechado de um grupo que iria executar o seu Quarteto em mi bemol maior op. 127. Um dos violinistas, Joseph Böhm, registrou o episódio: “O infeliz estava tão surdo que não podia ouvir o som celestial das suas próprias composições”. Para espanto de todos, porém, Beethoven chamou a atenção do grupo para os menores erros de execução. “Seus olhos seguiam os arcos, e assim ele era capaz de notar as menores flutuações no tempo ou no ritmo, e corrigi-las na hora”, anotou Böhn.

A verdadeira fortuna de Beethoven
Conta-se que um dia Beethoven foi visitar o irmão mais novo, Johann, que a essa altura era um homem rico. Na entrada da mansão, um criado ofereceu-lhe, numa salva de prata, um cartão de visitas onde estava escrito: “Johann van Beethoven, proprietário de terras”. O compositor pegou o cartão e, instantes depois, devolveu-o ao criado, após escrever no verso do papel a seguinte anotação: “Ludwig van Beethoven, proprietário de um cérebro”.

Péssimo pai
Quando Karl, irmão do compositor, morreu em 1815, Beethoven tomou para si a tarefa de criar o sobrinho, que tinha o mesmo nome do pai. Durante meses a fio, o músico travou nos tribunais uma batalha judicial para se tornar tutor da criança, retirando-a das mãos da mãe, a quem julgava uma mulher imoral. Finalmente, após obter ganho de causa, levou o menino para morar com ele. Mas Beethoven acabou revelando-se um tirano no papel de pai adotivo. Após tentar o suicídio, Karl engajou-se no exército austríaco e tratou de sumir da vida do compositor.

Fonte: Coleção Folha de Música Clássica –  Folha de São Paulo

Deixe um comentário

Arquivado em Conhecimento musical, Curiosidades

Além de Bach e Beethoven…

Como faz tempo que não surgem umas inspirações por aqui, hoje eu resolvi trazer alguns vídeos que merecem a nossa atenção.  Nada nos moldes “tradicionais” da música clássica, mas ainda assim encantador e com muita qualidade. Confiram:

.

.

Outra versão interessante de Piratas do Caribe:

.

.

Sugestões de vídeos que possam servir de inspiração? Não deixem de mandar a dica para orquestradascar@gmail.com!

Deixe um comentário

Arquivado em Conhecimento musical

Inspiração

Depois do feriadão, uma boa obra para nos inspirar :)

Deixe um comentário

Arquivado em Conhecimento musical

Inspirações musicais

Alguns vídeos inspiradores para vermos e revermos muitas vezes…

 

Mstislav Rostropovich tocando Popper Dance of the Elves

 

Vladimir Horowitz tocando Carmen Fantasie

 

Jascha Heifetz tocando Capricho nº 24 de Paganini

Rostropovich Popper Dance of the Elves

Deixe um comentário

Arquivado em Conhecimento musical

Grandes compositores: Heitor Villa-Lobos

Para aguçar nossa curiosidade musical, hoje estréia aqui no blog a sessão “Grandes compositores”, dedicada aos compositores que marcaram a música clássica mundial com suas composições. Para começarmos, nada melhor do que o brasileiro que encantou o mundo com suas obras inovadoras e exóticas: Heitor Villa-Lobos. Boa leitura! :)

 

História e vida

Heitor Villa-Lobos é, sem dúvida, um dos maiores compositores da música clássica brasileira. Conhecido por sua energia exuberante, o músico carioca é considerado por muitos com o responsável por colocar o Brasil no roteiro da música internacional.

Heitor Villa-lobos compôs mais de mil peças em sua trajetória musical

Villa-Lobos nasceu no bairro de Laranjeiras, no Rio de Janeiro, em 1887, e teve uma educação musical pouco acadêmica. Aprendeu a tocar violoncelo com o pai, instrumento pelo qual sempre teve um carinho especial. Também tinha um domínio quase virtuosístico da guitarra.

O compositor ficou conhecido por suas histórias fantásticas, as quais utilizava de acordo com o perfil que desejava transmitir. Em sua primeira viagem à Europa, em 1923, Villa-Lobos deu uma entrevista ao jornal parisiense  L’Intransigeant, onde contou ter sido capturado por índios, amarrado ao poste do suplício e sofrido por três dias as honras de uma cerimônia fúnebre, sendo libertado pelos brancos. O artigo tinha como objetivo promover o seu primeiro concerto em Paris e funcionou muito bem, tendo em vista que o teatro estava lotado.

Com Getúlio Vargas assumindo o poder no Brasil, em 1930, Villa-Lobos tratou de defender a necessidade de apoio à arte brasileira, por meio de um artigo publicado em O Jornal. Sua adesão ao novo governo visava condições financeiras de retornar a Paris.

Para mostrar ao novo presidente como poderia ser útil ao regime, Villa-Lobos reuniu 12 mil cantores em São Paulo, em maio de 1931, para realizar a Exortação Cívica. Seu projeto musical aconteceu durante o Estado Novo, com enormes concentrações de corais em estádios de futebol. Sua principal façanha aconteceu em 1940, no Rio de Janeiro, quando reuniu um coral de 40 mil vozes.

Villa-Lobos rege coral de 40 mil vozes em São Januário, no Rio de Janeiro, em 1940

Em 1945, Villa-Lobos fundou a Academia Brasileira de Música, nomeando seus primeiros 50 membros. No dia 12 de julho de 1959, o compositor rege seu último concerto em Nova York, vindo a falecer em sete de novembro do mesmo ano, em seu apartamento.

Principais obras

Villa-Lobos tinha grande afinidade com a obra de Stravinsky e considerava Bach como a fonte universal da música. Sua obra o fez ser considerado um dos mais importantes e decisivos compositores do século 20, sendo visto como um criador central do período.

As nove Bachianas Brasileiras e os 12 Choros para as mais variadas formações de instrumentos são obras-primas da produção do compositor, que ultrapassa as mil peças. Produzidas após os Choros (série de obras consideradas inovadoras e arrojadas), as Bachianas Brasileiras compõem um paralelo entre Bach e a música brasileira, demonstrando bem a imaginação musical de Villa-Lobos.

Além dessas, outras obras merecem destaque na produção de Villa-Lobos: as Cirandas, as Proles do Bebê, o Rudopoema, ciclos compostos para o piano; as obras para violão, como os Doze Prelúdios, os Cinco Prelúdios e o Concerto para Violão; os 17 quartetos de cordas; obras orquestrais como Mono Precoce, Uirapuru, Amazonas; e a grande suíte sinfônica Descobrimento do Brasil, dividida em quatro partes e dez movimentos.

 

Conheça algumas obras de Heitor Villa-Lobos:

Bachianas Brasileiras n° 4 – Prelúdio (Introdução):

 

Bachianas Brasileiras n° 1 – Introduction (Embolada)

 

Concerto para Violão e Orquestra – 1° Movimento (Allegro preciso)


Para conhecer melhor a vida e obra do compositor, visite o site www.museuvillalobos.org.br

 

*Informações retiradas dos livros “Villa-Lobos”, da coleção Grandes Compositores da Música Clássica, da revista Bravo! (Editora Abril); e do livro “Música Clássica – Os grandes compositores e as suas obras-primas”, de John Stanley (Editoral Estampa).

Deixe um comentário

Arquivado em Conhecimento musical, Grandes compositores

Quatro vozes, um só violino

Para comemorar o dia internacional da mulher, nada mais justo do que trazer algo dedicado à elas. Mas calma rapazes, não se desesperem, o vídeo a seguir é uma inspiração para todos os músicos e amantes da música clássica.

Isso porque nele a violinista Hilary Hahn executa a obra Heinrich Wilhelm Ernst’s Grand Caprice on Schubert’s Der Erlkönig, Op. 26 – “Le roi des aulnes”, considerada uma das mais difíceis peças já compostas para violino. Trata-se de uma transcrição feita pelo violinista Heinrich Wilhelm Ernst da obra de Schubert “Der Erlkönig” (em alemão, O Rei dos Elfos), com letra do escritor alemão Goethe.

A dificuldade da obra está justamente na complexidade da história. Nela, o violinista precisa interpretar quatro personagens: o narrador, o pai, o filho e o Rei dos Elfos.

 

Confiram a obra executada pela violinista Hilary Hahn:

 

Para quem tem curiosidade de saber um pouco mais sobre a versão original da obra e conhecer a letra escrita por Goethe, aqui vão dois sites interessantes: Pingo de Cultura e Próxima Aula.

E para os músicos encantados com a quantidade de notas e sonoridades, o IMSLP disponibiliza a partitura para download gratuitamente neste link.


Deixe um comentário

Arquivado em Conhecimento musical

Documentário musical

Adquirir conhecimento é sempre algo agradável, ainda mais quando o tema faz parte do cotidiano das pessoas. No caso de quem toca um instrumento musical, não é segredo que a música ocupa grande parte de suas vidas. Por isso, hoje o blog traz a sugestão* de um documentário que entrou para a história: De Mao a Mozart -Isaac Stern na China.

Produzido em 1981 pelo diretor Murray Lerner, o clássico conta a história da visita do ucraniano radicado nos Estados Unidos, Isaac Stern (um dos maiores violinistas do mundo) à China, em 1979. Na época, o país começava a se recuperar da Revolução Cultural, que havia banido oficialmente os contatos com o mundo externo. Stern era, então, um dos primeiros artistas ocidentais à se apresentar na China pós-revolução.

 

Resenha:

“De Mao a Mozart: Isaac Stern na China” é um documentário de 1980 sobre a quebra da cultura ocidental na China, produzido e dirigido por Murray Lerner. Ela retrata o famoso violinista e professor de música Isaac Stern como o primeiro músico americano para colaborar com a Orquestra Sinfônica Nacional da China. No filme estão ensaios e apresentações de concertos para violino de Mozart e Brahms, com o famoso maestro chinês Li Delun, que também atuou como seu guia e tradutor em sua viagem. O filme também inclui cenas de Stern visita do Sr. ao Conservatório Central de Música e do Conservatório de Música de Xangai, onde lecionou para estudantes de música chinesa  a arte da expressão musical. Entre muitos outros músicos talentosos, estão o jovem violoncelista Jian Wang (no momento apenas dez anos) é caracterizado brevemente, Jian Wang foi para o estrelato internacional. O filme ganhou em 1980 ao Oscar de Melhor Documentário. Também foi exibido fora de competição no Festival de Cannes 1981.

 

Assista o documentário na íntegra:

 

* Sugestão enviada pelo músico Klaiton Rafael Laube, integrante do Grupo de Câmara

1 comentário

Arquivado em Conhecimento musical